Realizada a 3ª Edição do Curso Professional Speaker em Porto Alegre/RS

[23/08/2016]

Foi um sucesso a terceira edição do Curso Professional Speaker – Capacitação para a Carreira de Palestrante da Sociedade Brasileira de Palestrantes.

Entre as personalidades que estiveram fazendo o curso estava o atleta André Neumann (no centro da foto), recordista e campeão mundial de Levantamento Terra categoria até 90kg. Com 18 anos de carreira no esporte, Neumann tem 13 títulos brasileiros, 2 paranaenses, 2 sul-americanos, 2 mundiais, e 1 recorde mundial. Preparador Físico de Atletas de Elite, incluído o lutador de MMA Mauricio Milani Rua, o Shogun , Neumann é Campeão Mundial de DEADLIFT e  Recordista Mundial 320 kg categoria até 90kg.

 

IMG_7507b

10 Fatos Assustadores sobre Qualidade do Ensino no Brasil

Semana passada foi publicado o resultado do estudo da OCDE sobre qualidade do ensino em 64 países, onde o Brasil ficou em penúltimo em número absoluto de alunos com baixo desempenho e entre os 5 piores em percentual de alunos de baixo desempenho. Percorri todos os resultados das mais de 200 páginas do estudo da OCDE e selecionei 10 estatísticas que resumem um pouco quão sofrível é o quadro da educação do país.

Enquanto você prepara o seu coração para os fatos que estão por vir, a tabela abaixo mostra como o estudo da OCDE usou os dados do exame PISA (2012)para separar os estudantes de baixo desempenho daqueles de desempenho satisfatório. Sempre que eu mencionar “baixo nível de proficiência” estarei me referindo àqueles com nota na área vermelha da tabela abaixo:

desempenho estudantes qualidade ensino brasil ocde 2016 pisa 2012 blog thomas conti

Respirou fundo? Vamos lá.


Fato 1:

7 de cada 10 estudantes brasileiros não atinge o nível mínimo satisfatório de proficiência em pelo menos uma das áreas entre matemática, interpretação de texto e ciências.

Fonte: OCDE (2016) – página 50.

Este é o número que nos faz ficar em 59º entre os 64 países do estudo, “ganhando” apenas do Qatar, Tunísia, Colômbia e Indonésia, perdendo para países como EUA (29º), Rússia (37º), Turquia (43º), Chile (49º) e México (51º). Em média entre os 64 países do estudo, 28% dos alunos ficam abaixo da linha base de proficiência em pelo menos uma das três habilidades do estudo. No Brasil, são assustadores 68% dos alunos.


Fato 2:

4 de cada 10 estudantes brasileiros não atinge o nível mínimo satisfatório de competência em nenhuma das áreas do relatório da OCDE (matemática, interpretação de texto e ciências)

Fonte: OCDE (2016) – página 48.

Neste dado nossa posição é ainda pior. Apenas três países do estudo têm um percentual maior de estudantes de baixo desempenho nas três áreas ao mesmo tempo, colocando-nos na 61ª posição nesse quesito.

De notícia positiva, o Brasil foi um dos 9 países que conseguiu reduzir esse percentual entre 2003 e 2012. Mas apenas parcialmente. O percentual foi reduzido apenas na habilidade de matemática e apenas entre os alunos que estavam abaixo do Nível 1 nessa disciplina. Outros países, como Alemanha e Rússia, conseguiram reduzir o percentual também para alunos que estão entre o Nível 1 e o 2 e alunos abaixo do Nível 1. Conforme aponta o relatório na página 54, a queda em países como a Turquia e o Brasil se explica antes pelo elevadíssimo percentual de desempenhos péssimos na avaliação de 2003 do que por alguma mudança estrutural na educação destes países. Isto é, já estivemos pior, mas continuamos muito muito mal.


Fato 3:

A qualidade do ensino varia brutalmente entre ricos e pobres, mas o ensino é muito ruim mesmo para quem tem dinheiro.

Fonte: OCDE (2016) – página 64.

Como era de se esperar, a renda da família tem um impacto decisivo sobre o potencial futuro da educação dos jovens. De acordo com a OCDE, a renda é o fator isolado que mais explica as diferenças no desempenho educacional: ela explica 15% da variação de desempenho entre os estudantes. Depois do status socioeconômico, o fator mais explicativo seria ter repetido um ano de estudo.

educacao brasil blog thomas conti qualidade ensino colegio bandeirantes escola waldemar barroso

No entanto, isso é apenas uma média entre os 64 países estudados. A desigualdade de renda explica muito, mas não tudo, e seu poder explicativo varia conforme o país estudado. No caso do Brasil por exemplo, nascer entre os 25% mais pobres significa uma chance de 85% de ter desempenho abaixo das habilidades mínimas. Nascer entre os 25% mais ricos reduz muito essa chance no Brasil: ela cai para 44,9%.

Porém, isso não quer dizer que quem está entre os 25% mais ricos tem muitas chances de ter bom desempenho – longe disso! Se compararmos nosso país com, por exemplo, o Vietnã, vemos que na verdade estar entre os 25% mais ricos no Brasil não lhe garante um ensino de matemática tão bom quanto estar entre os 25% mais pobres no Vietnã. No Vietnã, estar entre os 25% mais pobres significa uma chance de 24,8% de ter desempenho muito baixo em matemática, enquanto estar entre os 25% mais ricos significa uma chance de apenas 5,6%.

Computando as outras habilidades e isolando o impacto de outras variáveis, o Brasil está entre os 10 países com maior desigualdade de nível educacional entre ricos e pobres, junto com países como Chile, Uruguai, Peru e Israel. A imagem abaixo mostra o desempenho de cada quartil de renda em cada país (Brasil, Vietnã e a Média entre os países estão em destaque. Clique na imagem para vê-la em tamanho maior.):

desigualdade educacao no brasil ocde pisa 2016 blog thomas conti


Fato 4:

No Brasil, as mulheres são menos incentivadas a estudar matemática: elas têm 86% a mais de chance de ter desempenho abaixo da base mínima nessa disciplina. Estamos entre os 8 países com maior desigualdade de gênero no ensino entre os 64 países analisados.

Fonte: OCDE (2016) – página 70.

Outro dado alarmante é a desigualdade entre gêneros e o desempenho educacional, algo que não tem nada de biológico nem natural. No Brasil, sermulher aumenta em quase 86% a chance de ter baixo desempenho em matemática, devido a diversos fatores como menor incentivo para as mulheres estudarem essa disciplina, menor expectativa de pais e professores quanto à possibilidade de dominarem a matéria, dentre outros. Segundo o estudo da OCDE, em países com educação excelente como Singapura, são os homens quem têm desempenho inferior ao das mulheres em matemática, e em países como Noruega ou até o Cazaquistão não há diferença de desempenho entre os gêneros. Ou seja, não teria nenhum motivo para as mulheres irem pior que os homens nessa matéria se nosso sistema educacional funcionasse adequadamente. Vale dizer que nas habilidades de interpretação de texto e ciências as mulheres têm um desempenho médio superior ao dos homens, principalmente em leitura, onde vão melhor que os homens em todos os 64 países do estudo.

Por exemplo, o Brasil está entre os 21 piores países em desigualdade de gênero na habilidade de leitura. Os homens no Brasil tem 35% a mais de chance de terem performance abaixo do mínimo nesse quesito em nosso país. No Reino Unido essa diferença não chega a 8%. O estudo da OCDE é explícito: há uma relação direta entre má qualidade da estrutura educacional e maior desigualdade de gênero no desempenho dos alunos.


Fato 5:

No Brasil, estudantes que não fizeram educação infantil têmduas vezes mais chances de ter desempenho insatisfatório em matemática do que aqueles que tiveram mais de 1 ano de educação infantil.

Fonte: OCDE (2016) – página 82.

Universalizar a educação infantil é um passo determinante para a melhora da qualidade de ensino não só no Brasil, mas no mundo inteiro. Por aqui essa é uma batalha dura e muito antiga, que só viu alguma melhora nos últimos 25 ou 30 anos. Atualmente não estamos tão longe: de acordo com a PNAD(2012), 82% das crianças brasileiras entre 4 e 5 anos já conseguem ter acesso a educação infantil. Porém, cobrir esses 18% que faltam significa aumentar 1 milhão de vagas na oferta desse ensino. Outros países, mesmo desenvolvidos, do estudo da OCDE apresentam uma diferença ainda maior entre o futuro de quem faz e de quem não faz educação infantil, mas isso principalmente porque praticamente 100% das crianças tem acesso ao ensino, logo os poucos que ficam de fora provavelmente têm uma série de outros problemas os acompanhando para ter carecido desse ensino (família desestruturada, baixo nível de renda, moram em áreas rurais de difícil acesso, etc).

educacao infantil importancia ocde pisa 2016 2012 desigualdade blog thomas conti
A lição desse dado é: faça o possível para colocar seu filho no ensino infantil, e cobre deputados e governantes para que façam algo pela universalização do ensino. É um passo determinante para a melhora da educação no país.


 

Fato 6:

Os alunos brasileiros de pior rendimento em matemática estudam em média apenas 3 horas por semana.

Fonte: OCDE (2016) – página 107.

Em média entre os países da OCDE, uma dedicação de apenas 6 horas por semana já seria suficiente para reduzir em 70% a chance de ser um aluno de desempenho abaixo do mínimo satisfatório. Porém, países em que o ensino é ruim como no Brasil traduzem essa má qualidade do ensino em mal aproveitamento do tempo de estudo dos alunos. Isso pode acontecer por vários fatores: alunos desinteressados no ensino, falta de exigência da escola, baixa expectativa da família em relação ao potencial intelectual do aluno, falta de capacidade de concentração ou paciência de estudo, dentre outros.

dedicacao estudo concentracao desigualdade qualidade ensino OCDE PISA 2012 2016 blog thomas conti
Para se ter uma ideia, de acordo com o relatório da OCDE, com a mesma média de 3 horas por semana de estudo um aluno na Coreia consegue obter um rendimento de 25% a 40% superior ao de um estudante brasileiro. Isto significaria sair do nível de “abaixo do desempenho mínimo” para Nível 2 ou 3, que já são considerados níveis de satisfatórios a bons de ensino.


Fato 7:

Em quase metade das escolas do Brasil, 8 em cada 10 alunos têm desempenho abaixo do mínimo satisfatório em matemática.

Fonte: OCDE (2016) – página 140.

Em 40% das escolas brasileiras a vasta maioria dos alunos não consegue atingir a proficiência mínima em matemática. Esse número é preocupante pois, ainda de acordo com a OCDE, o ambiente de estudo afeta muito a qualidade do ensino. Escolas onde há uma percepção geral de que ter baixo desempenho é o resultado normal e esperado do ensino, professores e alunos ficam desestimulados e essa falta de estímulo ajuda a reforçar ainda mais o quadro de baixo desempenho.


Fato 8:

Estar entre os 25% com perfil demográfico e educacional menos privilegiado do país aumenta em 5 vezes a chance de ter desempenho péssimo em matemática, comparado com estar entre os 25% com perfil mais privilegiado.

Fonte: OCDE (2016) – página 66.

No quesito impacto da desigualdade sobre o desempenho educacional, o Brasil fica em 46º entre os 64 países analisados. A posição parece quase boa comparada com a posição entre os 5 últimos que ficamos em diversos dos outros itens. Conteúdo, esse problema da desigualdade se expressa de forma diferente entre os países. Por exemplo, a Irlanda aparece como o país com maior desigualdade nesse quesito e é um dos países com melhor nível educacional do mundo. O que ocorre é que como os estudantes em geral da Irlanda têm um desempenho excelente, a minúscula parcela de estudantes que estão, por exemplo, em alguma área montanhosa de difícil acesso ou por outros motivos não conseguem acessar o ensino público, acabam ficando com rendimento bem abaixo dos demais do país, que tem uma média alta em nível mundial.

No caso do Brasil, há centenas de milhares de alunos dentro desse perfil de risco elevado, logo o indicador de desigualdade é bem mais preocupante aqui do que lá. Já na Noruega (1º) nascer entre os mais desfavorecidos não chega a aumentar nem em 50% a chance de ter desempenho ruim em matemática, contra os 400% a mais de chance no caso brasileiro.


Fato 9:

A qualidade do ensino no Brasil é pior do que a média esperada para o atual nível de desigualdade e inclusão social do país.

Fonte: OCDE (2016) – página 172.

O relatório da OCDE constatou que há uma relação direta entre inclusão social e o percentual de alunos que conseguem atingir as notas mais altas nos testes de desempenho. Quanto menos desigual é um país, mesmo se ele não for rico, o número de performances excelentes aumentam. Contudo, este não é o caso do Brasil. Para o nosso nível de desigualdade socioeconômica, temos 55% mais alunos com desempenho péssimo em matemática do que a média esperada.


Fato 10:

Apenas 1 em cada 100 estudantes brasileiros atinge o nível de maior desempenho em matemática.

Fonte: OCDE (2016) – página 173.

Até agora falamos apenas dos alunos com desempenho abaixo do mínimo. Mas e os alunos com altíssimo desempenho? Quantos são em nosso país? Pois é meus caros, eles representam apenas 1% de todos os estudantes brasileiros. E isso não é reflexo de nada “natural”, não é preciso ser um gênio para atingir esses resultados. O problema é o nosso sistema educacional mesmo. Quer comparar? Em Singapura, o 1º do mundo em número de alunos com altíssimo desempenho, 40 de cada 100 estudantes atingem o maior nível da escala (!). Já pensou se conseguíssemos fazer isso por aqui?

\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\

Estes foram os ’10 fatos assustadores’ que selecionei sobre a realidade do ensino no Brasil. Na semana que vem quero fazer um texto sobre quais as políticas de sucesso que esse estudo da OCDE recomenda para os países melhorarem a qualidade do seu ensino, com base no que os melhores no ranking fazem para obterem seus resultados. Quer ficar sabendo assim que essa matéria for escrita? Fique a vontade para seguir minhas publicações noFacebook, Twitter, ou se inscrever no meu blog! Vamos repassar este texto para as autoridades responsáveis do país e fazê-los tomar atitudes a respeito.

Mas não esqueça! Gerenciar as escolas é competência das autoridades municipais e estaduais, enquanto as diretrizes educacionais do país são organizadas pelo governo federal. Ou seja, todo o governo tem deveres a cumprir na questão educacional brasileira. Reformas nesse setor levam muito tempo para surtir efeito e é o futuro das nossas crianças em jogo, cada ano conta e o relógio não para.

Read more

ARTIGO: A missão do palestrante

[27-01-2016]

CARLOS PRUSCH – Administrador, especialista em Marketing e Gestão Comercial e também Membro e Diretor de MKT da Sociedade Brasileira de Palestrantes.

 

Business Convention Question and Answer

Embora o Brasil tenha um mercado tremendamente promissor nesta área, proferir palestras de forma profissional não é tão simples como gostaríamos que fosse. Falar em publico provoca nos seres humanos o maior de todos os medos superando até mesmo o medo da morte. Contudo, mesmo num mercado crescente, como em qualquer outra profissão, para se tornar bem sucedido neste ramo é necessário preparação, um bom plano, foco e muito treinamento.

Atualmente, para “laçar” plateias e conectá-las a um contexto, o palestrante necessita muito mais do que transmitir uma mensagem estruturada, de um conteúdo relevante e de uma comunicação eficaz. Para fazer com que as pessoas realmente evoluam e se transformem no auditório, o palestrante precisa demonstrar autenticidade atraindo e inspirando o público com magnetismo.

Mas qual é a missão do palestrante na atualidade?

De modo geral, a missão do palestrante nos dias de hoje é transformar e inspirar as pessoas fazendo com que elas evoluam. Munidos de técnicas e habilidades de comunicação, os palestrantes atualizados tem o papel de levar desenvolvimento humano e organizacional a indivíduos e corporações. O alinhamento com as áreas de recursos humanos nas empresas é imprescindível. Esse papel evoluiu muito ao compararmos com a época do surgimento da retórica na Grécia antiga. Naquele tempo se usava a arte de falar bem, a dialética e a lógica, muito mais como estratégia de argumentação para persuadir audiências nos fóruns políticos, do que para o bem comum. A missão dos palestrantes na era atual é definitivamente tocar o coração das pessoas. Lembre-se que para tocar o coração das pessoas sua palestra não precisa ter somente um foco motivacional. O importante é como você transmite sua mensagem.

As palavras de ordem para os palestrantes do futuro são: AUTENTICIDADE e MAGNETISMO. Ser autêntico é ser exatamente aquilo que você é. Você não deve tentar passar uma falsa imagem a seu respeito. O que você deve buscar é o “polimento”. Provocar ondas magnéticas em cena corresponde a contagiar a plateia com seu entusiasmo e brilho nos olhos a ponto de propagar o efeito de transformação nas pessoas. Naturalmente que para desenvolver essas duas virtudes o profissional precisa ser um bom palestrante.

“A única maneira de fazer um bom trabalho é amando o que você faz. Se ainda não encontrou isso, continue procurando. Não se acomode. Como tudo que diz respeito ao coração, você vai saber quando encontrar” Steve Jobs – in memoriam.

E o que é preciso para se tornar um bom palestrante?

Em primeiro lugar é necessário refletir. A preparação engloba muitas coisas. Uma delas é dar um passo atrás e identificar se realmente lhe é prazeroso compartilhar seus conhecimentos e se estará feliz desempenhando este papel. Em segundo lugar faça uma autoanálise sobre sua qualificação permitindo um olhar crítico em direção a sua formação, expertise e experiência de vida. Por último é preciso concluir que está indo no caminho certo. Nomeio este desfecho como compreender a “mensagem sublime” que define sua maturidade para desempenhar uma boa performance no palco. Em outras palavras a mensagem sublime engloba a perspicácia no desenvolvimento do conteúdo de sua palestra (produto) e também a sua capacidade de transmitir um recado marcante. Essa última etapa da preparação significa aperfeiçoar suas competências, aprimorar seu produto com afinco e dedicação, e finalmente, estar apto e capaz de afetar e influenciar a plateia.

E o plano?

Um bom planejamento é fundamental para se desenvolver nesta área e o melhor caminho é pesquisar o que o mercado oferece. Para se tornar um palestrante bem conceituado não basta apenas ter o “dom da palavra”. Esse é um fator que pode ser desenvolvido ao longo do tempo. É necessário mais do que facilidade de comunicação para se destacar entre tantos bons profissionais. Responda para você mesmo as seguintes perguntas:

Estou fazendo o meu dever de casa, ou seja, tenho me aprimorado e me desenvolvido para estar capacitado nesta área? Os meus produtos (palestras) estão “redondos” e completamente afinados? Onde pretendo chegar como palestrante?

Não deixe o plano para depois. O planejamento sempre vem antes. Dedique algum tempo para escrever seus planos e tenha clareza sobre eles.

Firme no foco e no treinamento

Esses dois itens andam juntos. O foco e o treinamento nesta área são fatores chave de sucesso. Certamente você elegeu e elencou prioridades no seu planejamento.  Manter o foco no que você pretende alcançar aumenta suas chances de acerto. Treinar é a repetição necessária para adquirir êxito e conquistar bons resultados no seu dia a dia. Através da disciplina em treinar e reciclar nossos pensamentos é que adquirimos aptidão para fazer apresentações extraordinárias. Nesta etapa é preciso suar a camisa!

Então, você já se considera um bom palestrante? Ótimo!  Parabéns!  Continue se desenvolvendo, seja autêntico e contagie as pessoas.

Vá em frente! Transforme e eleve o seu público na plenitude da sua missão e se precisar de ajuda procure a Sociedade Brasileira de Palestrantes. Ela estará pronta para ajuda-lo!

 

Falar em público: Como essa habilidade pode MUDAR a sua vida!

Falar-em-público

[06-01-2016]

Se você quiser aumentar substancialmente o seu valor como um profissional de negócios ainda neste ano, o bilionário Warren Buffett tem um conselho: dominar a arte de falar em público. Buffett, que é considerado o investidor mais bem-sucedido do século XX, disse uma vez a uma classe de estudantes de business que ele iria pagar a qualquer um da sala US$ 100 mil por 10% de seus ganhos futuros. Se eles fossem bons comunicadores, ele elevaria sua oferta em 50%, porque falar em público tornaria seu “investimento” mais valioso.

Carmine Gallo é o coach de comunicação das marcas mais admiradas do mundo e colaborador da revista “Forbes”. Gallo conta que lembrou desta história durante uma conversa com um recém-formado. Embora o novo profissional tenha se formado em uma universidade altamente renomada no lugar de onde veio, ela não tem o nome de Harvard ou Yale. Ele também, aparentemente, não recebeu o memorando informando que é difícil para os jovens encontrarem emprego.

O jovem conseguiu um boa posição em sua terceira entrevista. Ele acha que sua boa capacidade de comunicação foi o grande diferencial para o seu sucesso. Ele estudou os produtos da empresa e desenvolveu seu próprio “discurso de elevador”. A conversa foi tão convincente que seu novo chefe ainda lhe pediu para gravá-la para que a empresa pudesse mostrá-la para seus vendedores. Não é nenhuma surpresa que o novato tenha sido contratado.

Julian Treasur, especialista em comunicação, demonstra na sua palestra no TEDx, como falar poderosamente; desde exercícios vocais até dicas de como falar com empatia. Uma palestra que pode ajudar o mundo a soar mais bonito.

 

Se você deseja ou necessita melhorar sua habilidade de comunicação, falar em público, sentir-se mais confiante ao encarar pequenas ou grandes plateias, faça parte da Sociedade Brasileira de Palestrantes e realize nosso Curso de Formação de Palestrantes e Comunicadores de todas as áreas, além dos mais diversos cursos específicos e eventos relacionados a apresentação e comunicação pessoal e profissional.

Caso tenha interesse em maiores informações, nos envie um e-mail: atendimento@sbpalestrantes.com.br OU ligue: 51 3907-7707.

sbpalestrantes-transparente-01

 

 

 

 

 

Fonte: Hypescience

Gravações do Curso Basic Speaker EAD. Lançamento 1º Trimestre de 2016

montagem1

[30-11-15]

A Sociedade Brasileira de Palestrantes esteve realizando, na última sexta-feira (27/11) , as gravações finais do Curso Basic Speaker EAD, que será lançado em plataforma ONLINE em no 1º Trimestre de 2016.

Foram gravados 10 módulos de curso que contemplam 38 temas.

O curso tem como objetivo oferecer ao aluno um conteúdo diferenciado que transmita todos os aspectos fundamentais para o desenvolvimento da carreira do palestrante profissional.

Para saber mais informações sobre o conteúdo programático e instrutores do curso, acesse:

http://sbpalestrantes.com.br/ead-basic-speaker/

TEM INTERESSE NO CURSO?

Envie um e-mail para: atendimento@sbpalestrantes.com.br

ou ligue : 51 3907 – 7707

Pages:12»