ARTIGO: Todos queremos conhecer mais

[09-12-2015]

FABIANO CAMILO – Palestrante, Engenheiro, Mestre em Artes Marciais e Instrutor da SBP – fabianocamilo@terra.com.br.

 

Todos queremos conhecer mais…conhecimento

Porém seria importante refletir um pouco sobre o que queremos conhecer. Sobre o que seria importante conhecer. Sobre o que o conhecimento pode nos proporcionar.

Acreditamos que o ser humano vem evoluindo graças ao conhecimento, ou ao aumento do seu nível de conhecimento sobre todas as coisas. Sobre si mesmo, sobre a ciência (que na realidade significa etimologicamente conhecer), sobre o Universo.

A ciência tem servido ao ser humano para que este possa dominar melhor o seu meio ambiente, fazer com que a natureza possa servi-lo melhor. Graças ao domínio da agricultura o homem pode se fixar e estabelecer cidades organizadas, sociedades, regidas por leis, organizadas, moral e esteticamente. O domínio das demais ciências ofereceu ao homem condições de lutar contra as doenças, superar as intempéries, o frio e calor extremos, estruturar a vida nas grandes cidades, agilizar transporte e comunicação.

A ciência atual serve ao homem com as maravilhas da tecnologia. Nos comunicamos com qualquer canto do planeta em tempo real. O mundo virtual não tem fronteiras. As formas de lazer, de diversão, de cultura, de entretenimento, de trabalho, estão todas voltadas ao uso da tecnologia, de alguma maneira até reféns dela.

Bem, o que queremos conhecer?

Qualquer coisa que mude meus estados de humor? Que possa me deixar mais feliz ou então distanciar-me dos problemas da vida pessoal e mesmo coletiva?

Não deveríamos parar um pouco com a mera curiosidade sobre as coisas que estão fora para buscar dentro? Para buscar bons e saudáveis questionamentos? Coisas que nos instigassem a ser mais desafiadores em nossos limites de compreensão de nós mesmos. Meus limites, minhas dificuldades, meus defeitos e principalmente minhas qualidades e virtudes?

Conhecer mais, principalmente de si mesmo é  o que a Sociedade Brasileira de Palestrantes pretende oferecer aos seus membros.

Venha mergulhar no autoconhecimento e identificar suas habilidades e virtudes.

 

Gravações do Curso Basic Speaker EAD. Lançamento 1º Trimestre de 2016

montagem1

[30-11-15]

A Sociedade Brasileira de Palestrantes esteve realizando, na última sexta-feira (27/11) , as gravações finais do Curso Basic Speaker EAD, que será lançado em plataforma ONLINE em no 1º Trimestre de 2016.

Foram gravados 10 módulos de curso que contemplam 38 temas.

O curso tem como objetivo oferecer ao aluno um conteúdo diferenciado que transmita todos os aspectos fundamentais para o desenvolvimento da carreira do palestrante profissional.

Para saber mais informações sobre o conteúdo programático e instrutores do curso, acesse:

http://sbpalestrantes.com.br/ead-basic-speaker/

TEM INTERESSE NO CURSO?

Envie um e-mail para: atendimento@sbpalestrantes.com.br

ou ligue : 51 3907 – 7707

11 tendências de consumo que irão mudar os próximos 5 anos

futuroconsumo

[18-11-2015]

O modo de fazer negócio não será o mesmo nos próximos cinco anos.

Grandes tendências estão mudando o padrão de consumo e comportamento das marcas.

Novas tecnologias, apps, realidade virtual, economia solidária: tudo isso está promovendo grande impacto no mercado.

O site Mashable conversou com especialistas do Young Entrepreneur Council (YEC). Cada um dos 11 líderes listou alguma tendência-chave no comportamento dos consumidores e no campo da tecnologia.

 

1. O varejo irá focar no serviço

Tudo pode ser comprado online e essa realidade só vai aumentar. Assim, o varejo deverá fazer o mesmo ao vender serviços. Restaurantes, spas, casas de show: tudo poderá e deverá ser vendido pela internet. (Michael Portman, do Birds Barbershop)

2. As empresas usarão mais as mensagens de texto

O “texting” – mandar uma mensagem de texto, seja por WhatsApp, SMS ou outro serviço – será cada vez mais comum para empresas se comunicarem com seus clientes. E-mails estão sendo cada vez menos usados. Vendas, acordos, avisos: tudo poderá ser resolvido com uma breve e prática mensagem de texto. Essa tendência ainda atrairá mais jovens consumidores e trabalhadores para a companhia. (Drew Gurley, do Redbird Advisors)

3. A comunicação visual será a melhor maneira de comunicar

O consumidor, em média, presta atenção em alguma coisa por apenas cinco segundos (menos que um peixinho dourado de aquário, que tem atenção de nove segundos). Isso aliado a um mundo onde milhares de marcas brigam por espaço para suas informações. Assim, a melhor forma de se destacar no barulho é se valer das imagens e da comunicação visual. Aliás, um estímulo visual chega ao cérebro 60 mil vezes mais rápido que um estímulo de texto. Além disso, 90% das informações que retemos é visual. (Amy Balliett, do Killer Infographics).

4. A habilidade de ser autêntico será valorizada

Nos últimos tempos, tudo parece igual em termos de produtos e consumo. Carros, celulares, tablets, franquias… É como se quisessem se parecer com seus competidores. Mas a habilidade de ser autêntico e único voltará com tudo. O produto ou serviço entregue de maneira exemplar e única atrairá os consumidores. (Souny West, do CHiC Capital)

5. Pagamentos via celular mais comuns

O pagamento via mobile já evoluiu com bons apps de eBay, Amazon, PayPal e outros. Agora, a tendência é melhorar e expandir o serviço com chaves de segurança e proteção de informações. Programas como Apple Pay e CurrentC já permitem comprar qualquer coisa usando o smartphone. Talvez eles substituam os cartões de crédito em cinco anos. (Anthony Johnson, do American Injury Attorney Group)

6. Consumo e economia serão compartilhados

A tendência é que cada vez mais as pessoas busquem serviços e produtos compartilhados. Locais de trabalho e habitação, carros e caronas, pequenos eletrônicos: a economia compartilhada estará presente em todos os aspectos da vida. Isso mudará o modo de consumo, substituindo muitos “compra e venda” por “aluga-se”. (Andrew Schrage, do Money Crashers Personal Finance)

7. O consumo de serviços B2B irá aumentar

Grandes líderes, empresários e empreendedores já trabalham com apps e serviço de consumo. Agora, eles irão atrás das tecnologias que permitam o mesmo acesso para os serviços B2B (Business to Business, que se refere a um espaço de troca e venda direta entre empresas). (Elliot Tomaeno, do Astrsk PR)

8. Sites responsivos serão mais populares

Os empresários precisarão perceber que a experiência do consumidores no site (seja no desktop, seja no mobile) será cada vez mais importante e irá impactar diretamente na sua percepção ou atitude diante da marca. Assim, sites responsivos e criativos serão essenciais para atrair pessoas, não afastá-las. (Jayna Cooke, do EVENTup)

9. O consumo do dia a dia será digital

Com a popularização dos smartphones, o consumo do dia a dia será digital. Limpar a casa, pedir o almoço, arrumar o carro: tudo será feito no mundo virtual. (Vishal Shah, do NoPaperForms)

10. O foco será a privacidade

Os consumidores estarão cada vez mais preocupados com a privacidade: nos pagamentos, nas transações, nas buscas por produtos e serviços. Poucos querem que as empresas tenham todas as suas informações depois de comprar ou pesquisar por algo. Aumentará a procura por sites, apps e outras ferramentas para deixar tudo mais discreto e confidencial. (Nick Reese, do BroadbandNow)

11. A realidade virtual será uma plataforma

Por enquanto, há três plataformas para as marcas trabalharem na era da informação: computadores, mobiles e a Internet. Em breve, a realidade virtual entrará nessa lista. Logo, comerciais e anúncios poderão trabalhar com ferramentas que utilizam a realidade virtual, como o Oculus Rift. (Sathvik Tantry, do FormSwift).

 

Fonte: Exame

Segundo o MEC, mais de 3,5 mi estão matriculados em cursos EAD no Brasil

5612581D.POSINFO.PINFO_OF.200.20000C6.1.2760B1.1@45_5612581D.POSINFO.PINFO_OF.100.1637163.1.4461.1@1_7.POSINFO.PINFO_OF.100.0.1.0

[27-10-2015]

A economia brasileira pode não estar no seu melhor momento, porém isso não significa que você deva entrar em pânico, cruzar os braços ou esperar por um milagre. A busca pelo emprego ideal, por melhores condições de trabalho, aquele aumento no fim do mês e uma situação financeira mais confortável podem, sim, acontecer. Basta investir em educação, cursos e em si mesmo.

Uma maneira de aprimorar o seu currículo sem sair de casa e de ter gastos controlados, ou na faixa, é por meio de cursos EAD. Segundo dados do Ministério da Educação (MEC), atualmente, mais de 3,5 milhões de alunos estão matriculados e fazem aulas não presenciais, no Brasil. Com o intuito de terem uma formação acadêmica e aperfeiçoarem as técnicas de trabalho deles, o sistema de Educação a Distância mostra que veio para ficar.

É possível investir em cursos de graduação, pós-graduação, extensão e cursos livres. Para quem busca ingressar no ensino superior, mudar de área de atuação ou mesmo aperfeiçoar-se nas atividades que exerce.

Com a flexibilidade de horários e turnos, não precisar sair de casa e poder assistir aulas em qualquer dispositivo eletrônico com internet, os cursos a distância enriquecem o conteúdo pessoal e profissional dos alunos. Sempre conveniente às necessidades deles, os assuntos abordados em aula os ajudam a conquistar uma boa oportunidade na área de atuação e de elevar o interesse de grandes empresas, na bagagem de aprendizados adquiridos.

 

Ao realizar cursos EAD, as chances de se dar bem são maiores ainda. Quer saber como?

Confira algumas dicas de como conseguir um bom emprego com o ensino a distância:

 

Mantenha o seu currículo atualizado;

Crie um perfil profissional online no Linkedin (várias empresas oferecem vagas por meio do site e ainda fazem buscas por profissionais, de acordo com a oportunidade existente – já pensou se encontram o seu?);

Faça o máximo de cursos técnicos, livres, de pós-graduação e até mesmo os gratuitos,

Coloque informações importantes sobre os seus cursos no currículo (84% dos alunos dos cursos Técnicos do Senac são inseridos no mercado, logo após a conclusão da capacitação);

Explore tudo o que é passado nas aulas e aperfeiçoe os seus conhecimentos;

Além de escolher algo dentro de sua área, invista em novos caminhos. Não fique preso a uma única direção. Estude novas possibilidades, pesquise e dê sempre o seu melhor em tudo.

 

Ao ter um ou mais cursos de ensino a distância no portfólio, o profissional passa a ser visto com outros olhos pelo mercado, por demonstrar estar apto a agarrar, enfrentar e estar disposto a encarar novos desafios.

 

Fonte: Mundo Positivo

Empresas incentivam funcionários a fazerem cursos de atualização

cursoscorporativos

[05-10-2015]

O medo de perder o emprego por conta da crise tem deixado muitos funcionários apreensivos. E para evitar o pior, muitos correm atrás de novos empregos que lhe proporcionem mais estabilidade ou fazem cursos de atualização para serem melhor aproveitados pelas empresas onde trabalham.

E esta segunda opção foi bastante discutida durante a 41ª edição do Conarh, que aconteceu este mês no Transamérica Expo Center. Em vez de gastar com novas processos seletivos, empresas têm investido em cursos para aprimorar os talentos dos seus funcionários e, dessa forma, unir forças para superar a crise.

O iPED – Instituto Politécnico de Ensino à Distância apresentou em seu stand a Universidade Corporativa online. O sistema possui mais de 500 opções de cursos prontos em mais de 40 áreas de conhecimento. Dependendo do número de funcionários o curso pode sair a R$ 2,00 por participante. E as empresas podem acompanhar a frequência e desempenho dos funcionários matriculados por meio de gráficos e relatórios.

Fábio Neves, fundador e diretor do gripo iPED, conta que a universidade corporativa conta com mais de 1200 empresas cadastradas atualmente e todo dia mais de 5000 novas pessoas acessam o sistema. As áreas mais procuradas são administração, informática, idiomas, gestão, recursos humanos e vendas.

“Com o cenário da crise no Brasil, as empresas precisam aumentar a produtividade, reter talentos e criar novas ideias, e isso demanda competências novas e agilidade por parte das empresas”, diz Fábio Neves. “Através dos treinamentos online é possível desenvolver as pessoas, suprir esses gaps de competências e mantê-las engajadas e motivadas com os objetivos organizacionais, com custos menores e de forma mais rápida”, completa.

Além de oferecer atualização profissional, os cursos podem avaliar oito competências do funcionários, como liderança, organização, colaboração e empreendedorismo. Dessa forma, a empresa adquire insights sobre como aproveitar melhor as habilidades de cada colaborador e ainda compará-los com outros membros da equipe.

Iniciativa melhora relação entre empresa e funcionário

A Benner, pioneira no segmento de software de gestão empresarial, também acredita que ferramentas que suprem a necessidade de capacitação dos profissionais é uma boa saída para manter saudável a relação entre empresa e funcionário. Cada curso é desenvolvido de acordo com a necessidade da empresa e pode ser realizado de maneira presencial ou online, dentro do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) do cliente ou da própria Benner.

As aulas são interativas, com exercícios teóricos e práticos, atividades com participações em fóruns, games, avaliações, pesquisas de satisfação e emissão de certificados automáticos.

Marcelo Henrique Curbete, gestor de RH e Educação Corporativa – EAD da Benner, explica que o sistema pode ser configurado para apontar as competências que o funcionário deve ter para exercer determinada função. A partir dái, mostra os gaps e sugere os cursos. “Por exemplo, na competência comunicação você cadastra a necessidade de um curso sobre nova ortografia ou sobre comunicação verbal ou até mesmo comunicação empresarial. Desta forma, quando sai o relatório já aparecem as indicações de cursos para aquele colaborador, cuja posição tenha como pré-requisito a competência de comunicação”, explica.

Caso a empresa tenha uma ferramenta para Gestão de Desempenho, também desenvolvida pela Benner, ela pode ser integrada à de Educação Corporativa. Desta forma, a empresa identifica se o colaborador esta aquém de algum tipo de competência, tanto do ponto de vista comportamental, como técnico, de acordo as metas estabelecidas. Todas as informações, inclusive os cursos realizados, ficam registrados na base de dados e podem embasar o próximo feedback. “Assima empresa pode verificar se um funcionário que tinha um gap fez o curso sugerido e conseguiu reduzir a deficiência que tinha na avaliação anterior”, finaliza Curbete.

 

Fonte: Mundo Carreira

Pages:«123»