Sucesso na 1ª Edição do Curso Professional Speaker, realizado em Porto Alegre pela SBP

[23-11-15]

turma1

 

Foi sucesso a 1ª edição do Curso Professional Speaker, realizado nos dias 20,21 e 22 de novembro, no Hotel Intercity Aeroporto, em Porto Alegre!

O curso formou novos e talentosos palestrantes para o mercado brasileiro. Foram 12 módulos com 06 instrutores especialistas em suas áreas. Profissionais de diversas áreas do RS, Goiânia e São Paulo tornaram-se Palestrantes e Membros da Sociedade Brasileira de Palestrantes.

Erick Formaggio, Fabiano Camilo, Wilson Calé, Julio Prusch, Sérgio Stock e Flávio Guerrico passaram, com excelência, seus conhecimentos e experiências aos novos membros da SBP.

 

instrutores1

O novo curso já está programado para o mês de abril ou maio do próximo ano! Aguardem!

Fonte: Assessoria de Imprensa SBP

SBPalestrantes visita Marcos Piangers na Rádio Atlântida

Facebook-noticias-01

[19-11-15]

O presidente da SBP, Julio Prusch e seu diretor de marketing, Carlos, tiveram a honra de serem recebidos ontem (dia 18/11), nas dependências da rádio Atlântida FM de Porto Alegre, pelo radialista, apresentador, colunista, escritor e palestrante  Marcos Piangers que em 2015 lançou o livro O Papai é Pop.

 

Na Rede Atlântida, Piangers participa de segunda a sexta dos programas de rádio “Pretinho Básico”, e as terças apresenta o “Qual é?”, que tem a participação do Psiquiatra Dr. Jairo Bouer.

O motivo da visita foi a apresentação da SBP e o convite para que Piangers venha a ser MEMBRO da Sociedade Brasileira de Palestrantes. Piangers demonstrou uma surpresa muito positiva com a fundação da SBP e aceitou o convite, que será formalizado na próxima semana.

 

Fonte: Assessoria

11 tendências de consumo que irão mudar os próximos 5 anos

futuroconsumo

[18-11-2015]

O modo de fazer negócio não será o mesmo nos próximos cinco anos.

Grandes tendências estão mudando o padrão de consumo e comportamento das marcas.

Novas tecnologias, apps, realidade virtual, economia solidária: tudo isso está promovendo grande impacto no mercado.

O site Mashable conversou com especialistas do Young Entrepreneur Council (YEC). Cada um dos 11 líderes listou alguma tendência-chave no comportamento dos consumidores e no campo da tecnologia.

 

1. O varejo irá focar no serviço

Tudo pode ser comprado online e essa realidade só vai aumentar. Assim, o varejo deverá fazer o mesmo ao vender serviços. Restaurantes, spas, casas de show: tudo poderá e deverá ser vendido pela internet. (Michael Portman, do Birds Barbershop)

2. As empresas usarão mais as mensagens de texto

O “texting” – mandar uma mensagem de texto, seja por WhatsApp, SMS ou outro serviço – será cada vez mais comum para empresas se comunicarem com seus clientes. E-mails estão sendo cada vez menos usados. Vendas, acordos, avisos: tudo poderá ser resolvido com uma breve e prática mensagem de texto. Essa tendência ainda atrairá mais jovens consumidores e trabalhadores para a companhia. (Drew Gurley, do Redbird Advisors)

3. A comunicação visual será a melhor maneira de comunicar

O consumidor, em média, presta atenção em alguma coisa por apenas cinco segundos (menos que um peixinho dourado de aquário, que tem atenção de nove segundos). Isso aliado a um mundo onde milhares de marcas brigam por espaço para suas informações. Assim, a melhor forma de se destacar no barulho é se valer das imagens e da comunicação visual. Aliás, um estímulo visual chega ao cérebro 60 mil vezes mais rápido que um estímulo de texto. Além disso, 90% das informações que retemos é visual. (Amy Balliett, do Killer Infographics).

4. A habilidade de ser autêntico será valorizada

Nos últimos tempos, tudo parece igual em termos de produtos e consumo. Carros, celulares, tablets, franquias… É como se quisessem se parecer com seus competidores. Mas a habilidade de ser autêntico e único voltará com tudo. O produto ou serviço entregue de maneira exemplar e única atrairá os consumidores. (Souny West, do CHiC Capital)

5. Pagamentos via celular mais comuns

O pagamento via mobile já evoluiu com bons apps de eBay, Amazon, PayPal e outros. Agora, a tendência é melhorar e expandir o serviço com chaves de segurança e proteção de informações. Programas como Apple Pay e CurrentC já permitem comprar qualquer coisa usando o smartphone. Talvez eles substituam os cartões de crédito em cinco anos. (Anthony Johnson, do American Injury Attorney Group)

6. Consumo e economia serão compartilhados

A tendência é que cada vez mais as pessoas busquem serviços e produtos compartilhados. Locais de trabalho e habitação, carros e caronas, pequenos eletrônicos: a economia compartilhada estará presente em todos os aspectos da vida. Isso mudará o modo de consumo, substituindo muitos “compra e venda” por “aluga-se”. (Andrew Schrage, do Money Crashers Personal Finance)

7. O consumo de serviços B2B irá aumentar

Grandes líderes, empresários e empreendedores já trabalham com apps e serviço de consumo. Agora, eles irão atrás das tecnologias que permitam o mesmo acesso para os serviços B2B (Business to Business, que se refere a um espaço de troca e venda direta entre empresas). (Elliot Tomaeno, do Astrsk PR)

8. Sites responsivos serão mais populares

Os empresários precisarão perceber que a experiência do consumidores no site (seja no desktop, seja no mobile) será cada vez mais importante e irá impactar diretamente na sua percepção ou atitude diante da marca. Assim, sites responsivos e criativos serão essenciais para atrair pessoas, não afastá-las. (Jayna Cooke, do EVENTup)

9. O consumo do dia a dia será digital

Com a popularização dos smartphones, o consumo do dia a dia será digital. Limpar a casa, pedir o almoço, arrumar o carro: tudo será feito no mundo virtual. (Vishal Shah, do NoPaperForms)

10. O foco será a privacidade

Os consumidores estarão cada vez mais preocupados com a privacidade: nos pagamentos, nas transações, nas buscas por produtos e serviços. Poucos querem que as empresas tenham todas as suas informações depois de comprar ou pesquisar por algo. Aumentará a procura por sites, apps e outras ferramentas para deixar tudo mais discreto e confidencial. (Nick Reese, do BroadbandNow)

11. A realidade virtual será uma plataforma

Por enquanto, há três plataformas para as marcas trabalharem na era da informação: computadores, mobiles e a Internet. Em breve, a realidade virtual entrará nessa lista. Logo, comerciais e anúncios poderão trabalhar com ferramentas que utilizam a realidade virtual, como o Oculus Rift. (Sathvik Tantry, do FormSwift).

 

Fonte: Exame

Google Maps funcionará até sem internet para Android

GOOGLE-MAPS

[11-11-2015]

O Google lançou nesta terça-feira (10/11), uma função no aplicativo do Google Maps para smartphones Android que permite baixar mapas e ser guiado curva a curva por voz sem precisar de internet móvel.

Nesta primeira versão, somente a navegação para carros terá suporte ao uso offline (rotas de transporte público, de bicicleta e a pé só estão disponíveis no app se ele estiver online).

“Sem conexão, você poderá navegar pelo mapa, dar zoom, solicitar rotas e navegação curva a curva para carros. É quase como uma volta ao passado, é aquele seu primeiro GPS que não tinha internet”, afirmou Marcus Leal, gerente de Google Maps para a América Latina, durante um evento para jornalistas realizado na sede da empresa, em São Paulo. “Agora, você pode queimar o seu guia de ruas”, disse o executivo.

Também é possível pesquisar estabelecimentos, como um bar ou restaurante, e ver as notas dadas por internautas mesmo quando você está desconectado. Entretanto, como não há conexão, informações sobre o trânsito em tempo real não são exibidas.

Apesar de a novidade ser o modo offline, a economia de dados não é o foco do Google com essa atualização do Maps. O foco é performance.

Quando você vai para um local em que o sinal de internet móvel é ruim ou pega um túnel muito longo, o aplicativo pode acessar as informações guardadas no smartphone, em vez de ficar refém de uma conexão fraca, o que prejudica a experiência de uso.

“Se você  estiver no estacionamento do shopping, no subsolo, o Maps vai usar os dados locais para navegar”, declarou Leal, explicando um possível cenário de uso.

A versão 9.17 do Maps começa a chegar aos usuários nesta terça, mas ela só deve chegar a todos os smartphones Android no dia 17 deste mês. A edição do app com novidades também chegará aos iPhones, mas o Google não informou quando isso acontecerá.

A novidade é importante para o Brasil. O país é um dos cinco maiores mercados do Maps em todo o mundo, diz o Google.

Como usar offline

As pessoas que não têm planos de internet móvel com muitos dados para gastar podem tirar ainda mais proveito da novidade. A solução é utilizar o aplicativo com o smartphone no modo avião, mas com a geolocalização ativa.

Para conseguir navegar sem internet, é preciso fazer previamente o download dos mapas da região que para a qual você vai. O limite sugerido de cada mapa é de 400 MB, mas o usuário pode optar por baixar os dados de navegação de uma região maior, com no máximo 50 quilômetros quadrados. Para fazer download, basta pesquisar o endereço desejado e deslizar o dedo de baixo para cima no app. A partir daí, é preciso delimitar a área do mapa e iniciar o download. Recomenda-se que o usuário esteja conectado a uma rede Wi-Fi para isso.

Cada mapa baixado tem duração de 30 dias no smartphone do usuário e, passado esse período, ele pede renovação. A ideia é evitar que dados desatualizados prejudiquem a experiência de uso do Maps.

Demanda Offline

De acordo com o Google, com base em dados de 2015, a quantidade de buscas online referentes a localizações representa 30% dos resultados de pesquisa exibidos. Além disso, a empresa conduziu um levantamento no Brasil, com a participação de mil usuários de smartphones, que mostrou uma necessidade de melhorar o aplicativo do Maps.

Entre os brasileiros, 40% responderam que tiveram problemas ao acessar um mapa no mesmo dia da pesquisa, devido a falhas de conexão.

Fora isso, o Google informou que muitos usuários que utilizam planos pré-pagos em seus aparelhos já tiraram capturas de telas de mapas e usaram o Street View para se familiarizar com o ambiente por não ter como utilizar a navegação do app do Maps por conta da restrição do consumo de dados da franquia. “Esse cenário de uso nós resolvemos com essa atualização”, finaliza Leal.

 

Fonte: Exame

ARTIGO: Dez erros clássicos em palestras

palestrante

[11-11-2015]

1. Ler anotações: Um dos erros clássicos em palestras, pois quem não domina o conteúdo que apresenta com autoridade acaba precisando sempre ler anotações ou slides. Isso só mostra o quanto você não sabe sobre o assunto do qual está falando.

2. Falta de contato visual: Um aspecto muito importante, para que o público sinta que a palestra está sendo falada diretamente para eles. O melhor é encarar de frente a platéia, evitando olhar para cima ou mesmo para o chão. Atitudes como estas podem passar a impressão de que você não está a vontade, ou não se sente bem fazendo a palestra.

3. Errar na hora de se vestir: A maneira de se apresentar faz parte de uma palestra completa. Profissionais que tratam de economia, negócios, por exemplo, estão sempre de terno e gravata. Já palestrantes que tratam de cultura, artes, etc, costumam se vestir de maneira mais descontraída. Digamos que usar um traje inapropiado ocupa um lugar de honra entre os erros mais clássicos em palestras. Analise bem o assunto e o público para o qual você irá se apresentar.

4. Deixar vir à tona tiques ou trejeitos com as mãos: O nervosismo pode ser captado através doe gestos. Quando você gesticular sem parar com as mãos, ou colocar e tirar elas dos bolsos, passara um certo ar de insegurança para o público. Tenta controlar seus movimentos. Uma boa saída é segurar algo que ajude na apresentação, como uma caneta lazer ou um controle remoto.

5. Não revisar e ensaiar antes a apresentação: Um dos erros clássicos em palestras. Quem ensaia a apresentação, antes de ministrar a mesma, tem a chance de corrigir todos os erros e até mesmo planejar melhor o tempo antes da apresentação definitiva.

6. Ficar completamente parado: Muita movimentação atrapalha. Porém cuide para não ficar congelado na frente do público. Os movimentos que o corpo faz ao conversar são naturais, por isso você tome cuidado para não acabar ficando estático. Caminhe, gesticule e saia do púlpito para se integrar com a audiência.

7. Ler os tópicos dos slides: Apesar de ser parecido com o primeiro erro, aqui temos um dos erros clássicos em palestras, o  de ler os tópicos dos slides. Nunca, mas nunca faça isso!

8. Falar muito: O tempo das apresentações deve ser respeitado, principalmente em ambientes corporativos. Planeje e seja objetivo. Fale o necessário. Algumas empresas começam a adotar as regras do 10-20-30 ou Pecha Kucha para evitar apresentações intermináveis.

9. Não estimular a audiência: Se o assunto que você está apresentando não é considerado, por você, como algo interessante, pode apostar que o resto da plateia também não achará. Da mesma forma que um professor que dá aula sobre algum assunto que não gosta, um palestrante que não consegue contagiar e estimular a audiência deve repensar os seus conceitos e a dinâmica da apresentação.

10. Esquecer de terminar a apresentação com uma mensagem ou fato inspirador: Por último, temos um dos erros clássicos em palestras muito interessante. Muitas pessoas pensam que a parte mais importante da apresentação é o meio, com o conteúdo principal. Mas, a parte final da apresentação deve ser sempre encerrada com uma mensagem para reflexão, algo que inspire a audiência. Seja uma charge, uma mensagem, um breve conto. O sucesso de toda uma apresentação pode  depender disto.

Fonte: Profissionais S/A

Pages:«1...7891011121314»